<BODY>

terça-feira, dezembro 03, 2013

"Bad things happen everywhere. Especially here..."

Ele vem sendo chamado de o "maior filme de guerrilha de todos os tempos". Filmado todo em câmera 5D, que se parece com uma câmera fotográfica de um turista normal, "Escape from Tomorrow" foi rodado nos parques da Disney sem o conhecimento da direção. Estreou no Festival Sundance e gerou grande repercussão. A Disney ainda não se pronunciou se vai tomar medidas legais quando ao filme. Na próxima vez que os seus filhos te encherem o saco querendo ir pra Disney, mostre o trailer pra eles.


0 Comentários


quinta-feira, novembro 28, 2013

Hoje é Dia de Ação de Graças

Todos os anos, nesta época, milhares de perus americanos se arriscam na fronteira em direção ao México buscando melhores condições de vida.

Estava vendo, acho que a Sadia, está tentando instituir um "dia de montar a árvore" pra vender mais peru aí, né? A ver. A Black Friday, apesar das enganações das primeiras edições, parece que já pegou no Brasil.

0 Comentários


segunda-feira, novembro 25, 2013

"Prepping myself to argue with my creative director"










Mais no tumblr This Advertising Life, via Eduzito.

0 Comentários


sábado, novembro 23, 2013

Ben 10: Missão Marte

Para promover o Ben 10, o "menino-alien", criamos um concurso cujo prêmio era uma viagem ao Kennedy Space Center, na Flórida. A visita, que trouxe crianças de toda a América Latina, aconteceu na segunda-feira passada e coincidiu com o lançamento do foguete Maven em direção à Marte. Se a gente tivesse planejado, não teria dado certo. O foguete, não tripulado, levará 10 meses pra chegar a atmosfera marciana em busca do por que da água, uma vez lá abundante, desapareceu com o tempo (alô, planeta Terra!). Se você estiver a tal distância do lançamento, você morre com o calor do lançamento. Se você estiver a outra tal distância, você morre com o barulho. E se estiver a uma terceira distância, você morre com os alligators e cobras do parque. Por isso não fiquei tão chateado pela vista dos visitantes não ser das mais privilegiadas - até tinha uma área mais perto para convidados mas perderíamos o almoço com o astronauta, também parte do prêmio. As imagens são do colega Pedro. O contador de onde estávamos se enrolou e quando vimos o foguete já estava no ar, foi meio Didi Mocó a contagem regressiva pra gente. Mas se foi uma experiência inesquecível para mim, imagino para as crianças.



0 Comentários


quarta-feira, novembro 16, 2011

Guy Code, campanha da MTV2







1 Comentários


Midionauta no Occupy Wall St. - Nova Iorque, 5 de novembro de 2011

"THE PEOPLE WHO ARE CRAZY ENOUGH TO THINK THEY CAN CHANGE THE WORLD, ARE THE ONES WHO DO". (Aqueles que são loucos o suficiente pra achar que vão mudar o mundo, são os que mudam o mundo" - De um comercial antigo da Apple)

Mistura de revolução com atração turística. Energia. Umbigo do planeta. História. Como era o acampamento do Occupy Wall St. NY antes da invasão da polícia. Fotos minhas e do Eduzito Bragança. Clique em cada uma para aumentar:


































"Do you know what you guys are doing here? Why are you here and not somewhere else?", perguntava o manifestante aos policiais.







































Tinha maluco,


tinha celebridade (Russel Simmons, um dos homens forte do hip-hop americano),























tinha de tudo. O figura acima era um charlatão se aproveitando do movimento, vendendo alguma geringonça milagrosa. Tinha alguma coisa a ver com religião, não dava pra entender direito o que era. Reparem na missão do guerreiro atrás do cara, segurando um cartaz "This guy is a joke". Ficou lá o tempo todo. Gênio.


















Na foto acima, o canto da praça onde ficavam os tambores. Como músicos, excelentes manifestantes.


Um comboio da polícia circulava a praça de tempo em tempo. Intimidação.



































































A caminhonete não pertence ao Wikileaks mas à um entusiasta: "Eu rodo os EUA parando na frente dos prédios das grandes corporações. Quando me vêem, os 1% tremem".







































Na foto acima, o que era a biblioteca do acampamento. Existia também uma cozinha comunitária e uma tenda de medicamentos, entre outras, além das barracas onde a galera dormia. Bagunça organizada. Foi tudo levado pela polícia na madrugada de ontem.





1 Comentários


sexta-feira, outubro 21, 2011

Robert Plant e Jimmy Page na voz de Michael Winslow, do Loucademia de Policia, em Whole Lotta Love


Tungado do S&H.

0 Comentários


Momento Musical. Plim!

Animação sensacional. O som é "Fantasy", do DyE. Assista com som alto e tela cheia. Conteúdo adulto, mas não pornográfico, apesar da impressão que a imagem inicial pode dar.

1 Comentários


segunda-feira, outubro 17, 2011

0 Comentários


domingo, outubro 16, 2011

BARDO, TOQUE A CANÇÃO DA CORAGEM!

Ou, "ALL WE ARE SAAAAAAYING... JUST GIVE PEACE A CHAAAAAAANCE". Flagra durante um intenso tiroteio em Sirte na Líbia.
















Via S&H

0 Comentários


sábado, outubro 15, 2011

Adnet entrevista "Willian Bonner". Impagável


Excelente paródia também do Super Pop na sequência.

0 Comentários


sexta-feira, setembro 16, 2011

0 Comentários


terça-feira, setembro 06, 2011

Rafael Nadal gets a blow job by Police Academy hooker during 2011 US Open Press Conference


Video by Midionauta.com.br

0 Comentários


quarta-feira, agosto 03, 2011

Saindo do forno

Campanha nova do Cartoon em parceria com a Unicef.





1 Comentários


segunda-feira, maio 23, 2011

Mais um milagre: Irmã Dulce salva Serra de sufocamento
















José Serra, na cerimônia de beatificação de Irmã Dulce. Clique para aumentar, muito boa. Foto de Raul Spinassé, Agência A Tarde.

1 Comentários


domingo, maio 15, 2011

Talking dog

0 Comentários


sexta-feira, abril 29, 2011

"ELE TRAIU JESUS!"

Ah, os populares.

0 Comentários


domingo, abril 17, 2011

Ela está chegando no Cartoon Network

Clique na imagem para aumentar:
















(Los Angeles, 15 de abril)

5 Comentários


sábado, abril 09, 2011

Momento Musical. Plim!

Uma curiosidade da banda é que eles não têm guitarra. A faixa está bombando aqui.



Não tem um "q" de INXS?

1 Comentários


quarta-feira, fevereiro 02, 2011

Pô, maneiro



Via

1 Comentários


terça-feira, fevereiro 01, 2011

Pixels também são quadrinhos

Clique AQUI, coloque em HD e tela cheia. Vazou a abertura completa de Marvel vs Capcom 3.

0 Comentários


quarta-feira, janeiro 26, 2011

0 Comentários


sexta-feira, janeiro 21, 2011

CNN: Brasil encabeça lista de "Coolest Nationalities in the World"

1- Brazilians

Without Brazilians we wouldn't have samba and Rio carnival; we wouldn't have the soccer beauty of Pele and Ronaldo; we wouldn't have the minuscule swimwear and toned bodies of Copacabana beach; and we wouldn't have certain eye-watering procedures performed with wax.
Unless they're using their sexy, laid-back, party-loving reputation as a cover for exterminating dolphins or invading Poland, then we have no choice but to name Brazilians as the coolest people on the planet.

So, if you're Brazilian and reading this, congratulations -- although, since you're sitting at a computer instead of showing off your six-pack on the shoreline, you probably aren't that cool yourself.

Icon of cool: Seu Jorge. The favela-raised performer's soulful Portuguese-language Bowie covers make you wish Ziggy Stardust was from Brazil, not space.

Not so cool: Mmmmm, Brazilian meat and cocoa -- so delicious, but farming's destruction of vast tracts of rainforest leaves a bitter aftertaste.


Veja a lista completa AQUI.

0 Comentários


1 Comentários


quinta-feira, janeiro 20, 2011

Se a sua mãe não gosta é porque é bom

Tá no ar aqui. Simples e bom pra caralho.

0 Comentários


domingo, janeiro 16, 2011























Via.

0 Comentários


Lindjo

Pai e filha cantando num momento super fofo.



A música é "Home", de Edward Sharpe and The Magnetic Zeros. Segue abaixo eles se apresentando no David Letterman e, também, o vídeo clip:





Via.

0 Comentários


Globo usa tragédia para fazer pegadinha

Eu vejo o JN todo dia e pesco estas sutilezas frequentemente. Edição de imagens, jogos de palavras, ordem das matérias. Vale tudo pra manipular a audiência contra o governo federal. O comentário abaixo é de um leitor do blog do jornalista Luís Nassif:

Por Weden

A Globo resolveu usar a triste situação da Região Serrana do Rio para fazer política. Para isso recorreu a uma edição absolutamente tendenciosa, o que é comum naquela emissora, mas que não se esperava que chegasse a tanto.

No Jornal Nacional, desta sexta-feira, 14, os editores utiilizaram passagens da reunião ministerial convocada pela Presidente Dilma Rousseff e juntaram as imagens a um texto que tratava enfaticamente da ajuda aos desabrigados e às cidades atingidas.

No texto, a repórter dizia que a tragédia da Região Serrana ocupara boa parte da pauta do encontro interministerial. Mas as imagens mostradas eram de um momento de descontração dos ministros em que mesmo a presidente sorria. A intenção dos editores era mostrar uma cena de descaso com o drama do Estado do Rio.

Essas pegadinhas de edição são muito comuns entre amadores. No youtube, podem ser encontradas centenas delas.

Mas não é hora de profissionais responsáveis pela informação pública brincarem de pegadinha quando o assunto é tão sério.

Ali Kamel é o responsável último por esta falta de respeito ás vítimas da tragédia e por este uso político do drama de milhares de pessoas.




O jornal espanhol El País caiu na pegadinha:

Mientras tanto impresionan e indignan las imágenes emitidas anoche por el telediario nacional de la Red Globo, con más de 40 millones de audiencia, intercaladas con las sangrantes de la tragedia, de la primera reunión ministerial con los 37 nuevos ministros presidida por Dilma Rousseff, en la que aparecían riendo a carcajadas, algunos masticando chicle y con aire de fiesta.

[Enquanto isso impressionam e causam indignação as imagens emitidas ontem pelo jornal nacional da Rede Globo, com mais de 40 milhões de audiência, intercaladas com as imagens pungentes da tragédia, da primeira reunião ministerial presidida por Dilma Rousseff com seus 37 novos ministros, em que apareciam rindo às gargalhadas, alguns mascando chicletes e com ares de festa]

0 Comentários


quarta-feira, janeiro 12, 2011

Ombudsman da Folha: David e Golias

Suzana Singer, ombudsman da Folha, critica o jornal pela censura ao blog humorístico Falha de São Paulo. Assunto ganhou maior repercussão depois de comentários de Julian Assange, do Wikileaks, de artigos publicados no Finantial Times e na Wired, e do apoio do Repórteres Sem Fronteiras ao blog.

"UM MICAÇO." A definição, dada pelo humorista Claudio Manoel, do extinto "Casseta & Planeta", é perfeita para definir o processo que a Folha decidiu mover contra o blog "Falha de S.Paulo".

O site humorístico, criado em setembro, fazia paródias -grosseiras- das notícias e insultava jornalistas, sempre na tentativa de mostrar que a Folha protegia José Serra durante a campanha eleitoral.

O nome "Falha de S.Paulo" vinha escrito no alto do site, em um logotipo idêntico ao da Folha, apenas com a troca de uma letra. O endereço eletrônico era www.falhadespaulo.com.br

Uma liminar a favor da Folha retirou o blog do ar no início de outubro. Os autores tentaram reverter a decisão, mas não conseguiram e o caso ainda será julgado em primeira instância. O jornal exige também uma indenização.

Os irmãos Lino e Mario Ito Bocchini, criadores do "Falha", conseguiram montar uma guerrilha poderosa na internet. No último dia 23, em entrevista publicada no "Estadão", Julian Assange, fundador do site WikiLeaks, saiu em defesa deles, como se o caso estivesse mobilizando o país.

"Entendo que há um grande escândalo em relação ao blog "Falha de S.Paulo", que é uma sátira ao nome do jornal com o qual temos uma parceria no Brasil. Entendo a importância de proteger a marca e temos sites similares que se passam por WikiLeaks.

Mas o blog não pretende ser o jornal e acho que deve ser liberado. A censura é um problema especial quando ocorre de forma camuflada. Sempre que há censura, ela deve ser denunciada", declarou Assange.

Em 27 de dezembro, foi a vez de o "Financial Times" publicar em um de seus blogs que "a Folha tem sido um exemplo na cruzada pelo jornalismo no Brasil por décadas", mas que "sua reputação desandou recentemente graças à resposta pesada que o jornal deu a dois irmãos que criaram um blog de paródia".

A dupla de blogueiros já tinha conseguido emplacar uma matéria no site da revista "Wired", além de ter obtido o apoio dos Repórteres sem Fronteiras.

Tanto barulho só se justifica porque o "Falha" conseguiu convencer uma parte da opinião pública de que o processo é uma tentativa de censura. A Folha discorda.

A empresa diz estar protegendo a sua marca e seu domínio (endereço eletrônico), sem entrar no mérito do direito à sátira. "Não se discute o teor das ideias difundidas, o que a Folha compreende dentro dos limites da liberdade de manifestação de pensamento. O que se busca impedir é a utilização indevida de sua marca e conteúdo, usurpando o seu direito e induzindo o consumidor em erro", afirma Orlando Molina, diretor jurídico do jornal.

Para Lino Bocchini, jornalista que trabalhou duas vezes no "Agora", da mesma empresa que edita a Folha, trata-se de "desculpa esfarrapada". Ele não acredita que leitores confundiriam a "Falha" com a Folha e afirma que seria impossível fazer graça sem criar semelhança com o objeto ironizado.

É difícil encarar essa disputa como uma luta pela liberdade de expressão, como querem os autores do "Falha". Toda empresa tenta proteger sua marca e as vias judiciais são o meio para isso.

Mas não faz bem a um veículo de comunicação progressista - e que se considera "jornal do futuro"- cercear um blog caseiro, apelativo sem dúvida, mas inofensivo.

Nessa batalha de David contra Golias, o papel do gigante malvado coube à Folha, que teve sua imagem muito mais prejudicada do que se tivesse simplesmente ignorado as pedrinhas dos irmãos blogueiros.

0 Comentários


Por uma internet mais livre

Para entender o debate sobre a neutralidade da rede.

Artigo do Caderno Link do Estadão, por Carla Peralva

Em 21 de dezembro, os Estados Unidos aprovaram uma série de regras que vão reger o tráfego de dados pela internet e que deram à Comissão Federal de Comunicação (FCC), a Anatel americana, a responsabilidade de garantir a neutralidade da rede.

Essa decisão foi o último ato de uma discussão que parece estar muito longe de acabar. Nos EUA, a neutralidade da internet é uma questão política – foi promessa de campanha do presidente Barack Obama –, e as novas regras enfrentam grande resistência entre aqueles que acreditam que o Estado não deve interferir na internet. Na Europa, o debate está em alta e nenhuma legislação parece estar por vir. O Chile foi o primeiro país a adotar uma lei que assegura a neutralidade como princípio da web, no início do ano passado.

A grande polêmica que essa discussão suscita está na definição do que é a tal neutralidade de rede. Em linhas gerais, é o princípio pelo qual todo tráfego de dados deve ser tratado da mesma forma, sem discriminação, priorização, bloqueio ou qualquer interferência. O fluxo de qualquer conteúdo deve ser livre.

Timothy Wu, da Escola de Direito da Universidade de Columbia, é um dos principais pensadores sobre o tema. Em sua definição, a neutralidade é um princípio do design de redes no qual a internet, entendida por ele como um bem social, baseou-se em sua construção.

O próprio Wu criou uma analogia para explicar o conceito: a rede elétrica é uma rede neutra. Não importa se o consumidor liga uma TV de plasma, uma vitrola ou uma torradeira na tomada, a energia sempre vai ser entregue. Isso permitiu que grandes inovações técnicas fossem feitas e que o consumidor sempre tivesse a liberdade de escolher o que usar e de que forma.

Rodrigo Savazoni, coordenador do site Cultura Digital, traz o exemplo de uma rede em que o princípio da neutralidade não é seguido. Imagine que uma empresa de transporte feche um acordo com a concessionária de uma rodovia para que seus ônibus circulem sozinhos em uma das faixas, onde nunca há trânsito ou pedágios. Cria-se um cenário em que a competição entre as empresas de ônibus fica desleal e os consumidores se veem obrigados a viajar com aquela empresa caso não queiram enfrentar congestionamento.

Com uma internet que obedece o princípio da neutralidade, disputas desequilibradas estão proibidas, além de outras mudanças práticas. A Amazon não poderia tirar os servidores do WikiLeaks do ar por sua própria vontade, motivada pelo conteúdo que o site publica, como em dezembro. A atitude vai diretamente de encontro à liberdade de publicação e de acesso dos usuários. Não são as empresas que controlam o tráfego que devem definir o que pode ou não circular, mas sim os usuários.


Continue lendo aqui.

0 Comentários