<BODY>

domingo, março 15, 2009

Em nome do pai























































(Fotos: Globo Online)

Vamos combinar: existe algum outro mal-informado (pra dizer o mínimo) aí, além dos ditos 300 manifestantes em Copacabana, que acha que Sean tem que ficar no Brasil? A massa de manobra desfilou hoje, em frente ao hotel onde se hospedou o pai biológico do garoto. Teria sido um sucesso se David Goldman não tivesse voltado ontem aos EUA.

Como podemos ver, as faixas carregadas pelos populares trazem os mesmos argumentos do padrasto do garoto. Vamos analisar as frases escritas:

“Sean é brasileiro”. Não é um argumento válido. Sean tem dupla nacionalidade, é brasileiro E norte-americano. Só com 18 anos (ou 21, não lembro), Sean estará apto à definir a nacionalidade de sua preferência.

“Respeite a vontade de Sean”. Respeitar a vontade de quem diz que Sean tem alguma vontade, só se for isso. Uma criança de 8 anos não tem autoridade ou discernimento sobre seus cuidados. A sociedade, o Estado e o sistema judiciário devem proteger os interesses do garoto fazendo cumprir as leis, do tratado de Haya e do bem-senso, que estarão sendo infringidas até que Sean volte aos EUA.

“A AGU quer expulsar criança brasileira do seu próprio pais”. Esta é mais chocante de todas. O pai biológico assinou um documento autorizando a mãe a sair de férias com a criança, e não uma sentença de separação onde abdicava dos direitos de estar com o filho. Dizer que o país está expulsando um brasileiro é perverso. Me recuso a subestimar a inteligência do leitor explicando isso ainda mais.

Os esforços de relações públicas do padrasto na mídia citam a adaptação do garoto como argumento de permanência, como se Sean não pudesse se re-adaptar ao país onde nasceu e viveu a primeira metade da sua ainda curta vida. Tentam justificar as ações de Bruna usando argumentos como a suposta frustrada vida sexual entre ela e o pai biológico, como diz a carta escrita pelo padrastro e publicada no Globo Online. Dizem ainda que David Goldman só começou a procurar o filho depois da morte de Bruna, argumento que não se consegue comprovar. Um filho só pode ser afastado de seus pais biológicos quando o bem-estar da criança está ameaçado. Este não é, nem de longe, o caso. O governo brasileiro concorda com o americano, que votou unânime pela volta de Sean aos EUA, mas como o judiciário é um poder independente, não pode interferir. Vai ser interessante acompanhar os movimentos da mídia nas próximas semanas. Por causa de um ufanismo patrocinado por segundos interesses, estamos criando um problema diplomático totalmente desnecessário. Senhor presidente do STF: não nos envergonhe também internacionalmente. Do contrário, quem vai acabar sendo expulso de algum país somos nós daqui.


(Larry King, em entrevista com o representante da família brasileira, fazendo a observação que a mídia nacional não ousou fazer)




6 Comentários:

Blogger fred disse...

......WOOOOORRRRDDDD !!!
Na moral, eu to acompanhando a versao Brasuca e a versao Uncle Sam da parada. A resposta pra esse caso e simples "blood is thicker than water" !!!
Porra, preocupa com a pivetada solta na rua do Brasil, vai fazer passeate pra ter escola, lazer, ocupa a cabeca do menor carente.
E isso ae.. peace out !!!

7:28 AM  
Anonymous Andre disse...

Rapaz, e que diabos a Nivea Stelman estava fazendo nessa passeata?

11:26 AM  
Blogger Daniel Xavier disse...

Haha.

Mas, sério, pensei que a Maria Paula fosse mais ligada, bro.

:D

3:38 PM  
Anonymous Anônimo disse...

de volta a brazilândia eu passei a ver esse caso com outros olhos. Na verdade a gente, fora do Brasil, não sabe de toda a história. A família da mãe do garoto é mega influente no no âmbito legal no Rio de Janeiro. Por isso toda essa exposição, por isso todo esse alvoroço na zona sul da cidade. O caso aqui no Rio é conversa tanto de botequim quanto de sala de quatro ambientes de frente pra praia de São Conrado. Aí já viu né? Junta gente pra apoiar, artista da Globo, ilustres desconhecidos e amigos da praia...é mais um oba oba carioca. Legalmente o direito é do pai biológico e isso todo mundo sabe e agora o caso foi para o Supremo aqui no Brasil e deve logo,logo chegar ao fim...Assim espero.

Abraço,

Almeida

7:16 PM  
Blogger Daniel Xavier disse...

Pois é. É justamente por esta influência da família e do padrasto na comunidade Zona Sul da novela, e as manobras de relações públicas na mídia, é que a gente tem que dobrar o alerta, se quer ter uma opinião justa sobre o assunto.

abs,
:D

8:08 PM  
Blogger fred disse...

...God bless a burguesia !

10:43 PM  

Postar um comentário

Assinar Postar comentários [Atom]

Links para esta postagem:

Criar um link

<< Página inicial