<BODY>

sábado, outubro 03, 2009

Obama é brasileiro

Barack Obama embarcou no Air Force One para Copenhague já conformado com a vitória brasileira. É verdade que acreditava que sua estrela – e só ela – poderia surpreender o favoritismo do Brasil mas Obama não é bobo. Ele não lê os jornais brasileiros. Está ciente da importância exponencial que a nossa banana republic assumiu na nova ordem mundial que toma forma neste momento. Sorry, periferia, o Brasil é vanguarda da política mundial. E esse tipo de coisa pesa nas decisões do COI, vide as olimpíadas na China. Obama também estava consciente de outra qualidade da candidatura do Rio, o carisma do nosso povo. E isso ele conhece na pele: um grande brother seu é brasileiro. Presidente do Brasil, mais precisamente. Inclusive, foi esse brother quem botou pilha para o Obama dar uma passada em Copenhague. O presidente americano não ia à princípio, e sua ausência seria totalmente justificada. Ele está como o Stallone naquela cena em Rambo II, mergulhado em merda de porco até o nariz. Tem só a crise econômica internacional, a paz mundial e a sobrevivência da espécie humana sob sua responsabilidade. Além disso, nenhum presidente americano nunca se deu ao trabalho de ir à uma votação do COI e, ainda assim, os EUA já realizaram os jogos 4 vezes – uma delas aqui em Atlanta. A América do Sul nunca teve vez. Quer mais motivos para que Obama não tivesse feito a viagem? Quase metade dos moradores de Chicago não queriam os jogos lá: acham que os EUA estão com problemas maiores para se preocupar. Mais um: a cidade, violenta para os padrões norte-americanos, foi manchete a semana toda com um vídeo onde um jovem é espancado até a morte – e violência era um dos quesitos que poderia derrubar o Rio. Mesmo assim, Obama foi para Copenhague. Foi porque se ele vai, criticam; se ele não vai, criticam também. Foi porque devia este esforço à Chicago, seu berço político, que tanto o apoiou. Foi porque seria o único chefe de estado ausente na cerimônia, como o pai que não vai à competição do filho – e Obama é um excelente pai. Foi porque tem espírito esportivo. Entrou em campo como a seleção americana de futebol quando enfrenta o Brasil: esperançoso por uma surpresa mas consciente da superioridade canarinha. O que ninguém esperava, porém, foi a eliminação já na primeira rodada. Isso sim foi chocante para os americanos. Obama fazia o vôo de volta quando recebeu a notícia. E, então, eram dois todo-poderosos no céu torcendo para o Brasil.





8 Comentários:

Anonymous Anônimo disse...

Alguns brasileiros confundem patriotismo com "idiotismo".
Temos que cuidar deste pessoal que acredita que o Brasil nasceu para ser detentor do império da nova ordem mundial para que não estraguem a nossa boa reputação assim como fizeram alguns americanos.
Exemplo disto é o fato que eu sem jamais sequer ter posto os péz neste pais em que está morando (E acredito que bem tratado), apenas jogava tranquilamente num server que tenho lá minhas dúvidas se era hospedado na américa quando um cara me vem com ar de superioridade pedir que eu me retirasse pq meu inglês não era bom !!!???
Respondi que ao menos eu conseguia entender 2 ou 3 palavras em neste idioma e de volta questionei quantas em portugues, espanhol ou francês ele poderia compreender para me entender melhor ?... obvio que calou-se.
Mas cuidando só dos nossos bobocas, não estamos construindo uma nação para ser maior ou melhor do que nenhuma outra ... estamos vindo para sermos humanos respeitaveis e da melhor estirpe.
E ao autor do blog reconheço a qualidade de seu ponto de vista e principalmente nos puxões de orelha que tem dado aos vários reporteres que jogam pra torcida no nosso país.
A verdade é consistente coerente e a única capaz de se sustentar por toda eternidade.

5:02 AM  
Anonymous RIO2016 disse...

Bom, com todo o devido respeito, Midionauta, depois de ter lido seu post (é ainda a 2ª vez que visito o blog), cheguei a uma conclusão.

Pelo que entendi você mora em Atlanta. E certamente vive o cotidiano dos Estados-Unidos e pelo histórico que fiz, você acompanhou bem o processo da eleição (oque fez muito bem por sinal).

No entanto o seu texto é de um falso patriotismo absurdo. Você tentou vibrar com a notícia, tentou comemorar a vitória do Rio, mas não conseguiu.

Em suma, você dá os parabéns ao Rio, mas exalta o fato dos estados-unidos terem estado com a olimpiada 4 vezes sem fazer esforço. Exalta que o presidente americano tem mais coisas a fazer do que se preocupar com a olimpíada.

"Paz mundial, existência humana?" Estamos falando do super-homem ou de um país que se negou a assinar o protocolo de Kioto, fez mais mal a humanidade do que o próprio diabo e que é um dos mais poluentes?"

O seu post(sugiro que releia) é resumindo um "Que bom que ganhamos, o Obama estava cagando pra isso mesmo. Porque se não estivesse cagando e andando pras olimpíadas, teriamos, ops, teria ganho fácil."

Que triste, Midionauta. Seu post é muito mais um comentário de quem dá os parabéns a um mendigo por ter conseguido um par de tênis, do que um caloroso parabéns de um brasileiro que ama realmente o seu país.

2:34 PM  
Blogger Daniel Xavier disse...

Sinto muito, meu novo amigo, mas quem deveria reler o post é você. Foi você quem entendeu TUDO errado.

1) Pra começar, este não era um post para comemorar a vitória do Rio específicamente. Apesar de eu estar extremamente feliz, e achar que tinha passado um pouco desta alegria no artigo (você não concorda, pelo visto), este era um post sobre a experiência americana nesta disputa. Queria mostrar o "fator Obama" nas Olimpíadas. Um dos leitores, inclusive, fez um comentário me cobrando esta visão antes de eu escrever o artigo. É nisso que eu achei que estava numa melhor posição para contribuir. Infelizmente eu não estava na praia de Copacabana quando tudo aconteceu.

2) O que eu quis dizer foi que vitória do Rio já estava no papo, justamente pela importância que o Brasil adquiriu no cenário internacional nos últimos anos, e que o Obama, mesmo com sua estrela, não conseguiu/conseguiria evitar. Chamei o Brasil de "vanguarda da política mundial". Falei que o Brasil está assumindo papel importante na nova ordem econômica. Essas conclusões se baseiam em tudo que tenho lido e ouvido falar do Brasil aqui fora. "Patriotismo falso"? Cara, isso não faz o menor sentido.

3) "O presidente americano tem mais coisas a fazer do que se preocupar com a Olimpíada". Não falei dessa maneira depreciatória mas isto não é nada menos que a verdade. O que falei é que ele tinha quase certeza que ia perder e que, além disso, teria motivos para não ir. E de onde você tirou que isso é menosprezar a vitória do Brasil? Os dois assuntos que vão praticamente definir a presidência do Obama estão sendo debatidos neste exato momento no congresso americano: a reforma do sistema de saúde e a guerra do Afeganistão. Mas o que me assusta foi que eu tentei foi fazer justamente o contrário do que "exaltar que o Obama tem mais coisas a fazer". Apenas apresentei os argumentos que A OPOSIÇÃO aqui está usando para crucificar-lo por ter ido a Copenhague para, logo depois, defender sua escolha de ter ido mesmo assim.

4) Você diz que o meu post é um "Que bom que ganhamos, o Obama estava cagando pra isso mesmo". Pelo amor de Deus, o que você está falando? Ele não estava cagando, se não não teria ido. O cara passou por cima de inúmeros críticos para ir, arriscou muito capital político para isso. Eu disse que ele acreditava que sua estrela poderia surpreender mas que, no fundo, sabia que ia dar Brasil. Ele estava preocupado sim, pois fez mais que qualquer presidente americano da história já fez por uma Olimpíada (foi à votação), e mesmo assim perdeu.

5) Você acha que falar em "paz mundial" e "futuro da existência humana" são exagero? Neste exato momento o Obama tem no prato duas guerras em andamento, a tensão crescente entre EUA e Irã, Irã e Israel e EUA e Coréia do Norte, as discussões sobre o tratado de não-proliferação nuclear com a Rússia, além da opinião de peso em qualquer outro conflito na Terra. Não posso chamar isso de discussões sobre a "paz mundial"? Se o Obama não está tratando da paz mundial, quem está? E o aquecimento global e os esforços do seu governo (ainda tímidos, concordo) ao incentivar a energia limpa e a não-dependência dos combustíveis fósseis? Os EUA são o país mais poluente e ele está tentando reverter isso. Foi pra isso, entre outras coisas, que ele foi eleito. É mesmo muito exagero chamar isso de "sobrevivência da espécie humana"?


Enfim, cara, dá até desânimo de explicar. Mais alguém me entendeu tão mal assim?

:D

9:51 PM  
Blogger Cayyam disse...

Caramba, que confusão.
Eu entendi perfeitamente Daniel, achei legal a matéria, acho que suas explicações a este leitor indignado acabaram maior do que a própria matéria.
E viva o Rio! Viva Brasil!

5:05 PM  
Anonymous Icaro disse...

o verdadeiro problema por aqui foi o "Estados-Unidos" do camarada aí acima.

7:15 PM  
Blogger Pedro disse...

Ô Daniel, vamos escrever aí! Eu pago essa assinatura pra que???

5:02 PM  
Blogger Cayyam disse...

Cadê vc?!

5:01 PM  
Anonymous vxixdxhxa disse...

Sabe o quê ? Que sorte a nossa ter você como exemplo, amigo Midionauta. Você consegue retratar o ponto de vista "sur le tas" sem a responsabilidade antiga de rotulos americanos, brasileiros, argentinos ou coreanos. Um ponto de vista que so se consegue ter quando esta na observação "in loco". Gosto muito dos seus comentarios maduros e absolutamente imparciais, sem falsos patriotismos ou "adoratismos". Lucido, claro e muito bem "percebido", brasileiro do mundo ! Obrigada.
Bravo !

12:07 PM  

Postar um comentário

Assinar Postar comentários [Atom]

Links para esta postagem:

Criar um link

<< Página inicial