<BODY>

terça-feira, abril 06, 2010

Azenha: "A reprise de 2006"

Por Luiz Carlos Azenha

Em 2005 e 2006 eu era repórter especial da TV Globo. Tinha salário de executivo de multinacional. Trabalhei na cobertura da crise política envolvendo o governo Lula.

Fui a Goiânia, onde investiguei com uma equipe da emissora o caixa dois do PT no pleito local. Obtivemos as provas necessárias e as reportagens foram ao ar no Jornal Nacional. O assunto morreu mais tarde, quando atingiu o Congresso e descobriu-se que as mesmas fontes financiadoras do PT goiano também tinham irrigado os cofres de outros partidos. Ou seja, a “crise” tornou-se inconveniente.

Mais tarde, já em 2006, houve um pequena revolta de profissionais da Globo paulista contra a cobertura política que atacava o PT mas poupava o PSDB. Mais tarde, alguns dos colegas sairam da emissora, outros ficaram. Na época, como resultado de um encontro interno ficou decidido que deixaríamos de fazer uma cobertura seletiva das capas das revistas semanais.

Funciona assim: a Globo escolhe algumas capas para repercutir, mas esconde outras. Curiosamente e coincidentemente, as capas repercutidas trazem ataques ao governo e ao PT. As capas “esquecidas” podem causar embaraço ao PSDB ou ao DEM. Aquela capa da Caros Amigos sobre o filho que Fernando Henrique Cardoso exilou na Europa, por exemplo, jamais atenderia aos critérios de Ali Kamel, que exerce sobre os profissionais da emissora a mesma vigilância que o cardeal Ratzinger dedicava aos “insubordinados”.

Aquela capa da Caros Amigos, como vimos estava factualmente correta. O filho de FHC só foi “assumido” quando ele estava longe do poder. Já a capa da Veja sobre os dólares de Fidel Castro para a campanha de Lula mereceu cobertura no Jornal Nacional de sábado, ainda que a denúncia nunca tenha sido comprovada.

Como eu dizia, aos sábados, o Jornal Nacional repercute acriticamente as capas da Veja que trazem denúncias contra o governo Lula e aliados. É o que se chama no meio de “dar pernas” a um assunto, garantir que ele continue repercutindo nos dias seguintes.

Pois bem, no episódio que já narrei aqui no blog, eu fui encarregado de fazer uma reportagem sobre as ambulâncias superfaturadas compradas pelo governo quando José Serra era ministro da Saúde no governo FHC. Havia, em todo o texto, um número embaraçoso para Serra, que concorria ao governo paulista: a maioria das ambulâncias superfaturadas foi comprada quando ele era ministro.

Ainda assim, os chefes da Globo paulista garantiram que a reportagem iria ao ar. Sábado, nada. Segunda, nada. Aparentemente, alguém no Rio decidiu engavetar o assunto. E é essa a base do que tenho denunciado continuamente neste blog: alguns escândalos valem mais que outros, algumas denúncias valem mais que outras, os recursos humanos e técnicos da emissora — vastos, aliás — acabam mobilizados em defesa de certos interesses e para atacar outros.

Nesta campanha eleitoral já tem sido assim: a seletividade nas capas repercutidas foi retomada recentemente, quando a revista Veja fez denúncias contra o tesoureiro do PT. Um colega, ex-Globo, me encontrou e disse: “A fórmula é a mesma. Parece reprise”.

Ou seja, podemos esperar mais do mesmo:

– Sob o argumento de que a emissora está concedendo “tempo igual aos candidatos”, se esconde uma armadilha, no conteúdo do que é dito ou no assunto que é escolhido. Frequentemente, em 2006, era assim: repercutindo um assunto determinado pela chefia, a Globo ouvia três candidatos atacando o governo (Geraldo Alckmin, Heloisa Helena e Cristovam Buarque) e Lula ou um assessor defendendo. Ou seja, era um minuto e meio de ataques e 50 segundos de contraditório.

– O Bom Dia Brasil é reservado a tentar definir a agenda do dia, com ampla liberdade aos comentaristas para trazer à tona assuntos que em tese favorecem um candidato em detrimento de outro.

– O Jornal da Globo se volta para alimentar a tropa, recorrendo a um grupo de “especialistas” cuja origem torna os comentários previsíveis.

– Mensagens políticas invadem os programas de entretenimento, como quando Alexandre Garcia foi para o sofá de Ana Maria Braga ou convidados aos quais a emissora paga favores acabam “entrevistados” no programa do Jô.

A diferença é que, graças a ex-profissionais da Globo como Rodrigo Vianna, Marco Aurélio Mello e outros, hoje milhares de telespectadores e internautas se tornaram fiscais dos métodos que Ali Kamel implantou no jornalismo da emissora. Ele acha que consegue enganar alguém ao distorcer, deturpar e omitir.

É mais do mesmo, com um gostinho de repeteco no ar. A história se repete, agora com gostinho de farsa.

Querem tirar a prova? Busquem no site do Jornal Nacional daquele período quantas capas da Veja ou da Época foram repercutidas no sábado. Copiem as capas das revistas que foram repercutidas. Confiram o conteúdo das capas e das denúncias. Depois, me digam o que vocês encontraram.




3 Comentários:

Anonymous David disse...

Já ouvi essa história antes. E não dá para dizer que é de todo falso. Mas discordo de alguns pontos:

- Acho certíssimo dar tempo igual aos candidatos. É comum os concorrentes criticarem quem está no governo. Não vejo como poderia ser diferente. Absurdo seria dar mais tempo a um candidato só porque os outros o criticam.


- Procurei no site do JN e vi denúncias sobre vários partidos, inclusive o PSDB (aquele episódio da Yeda é um deles).


- O caso do dinheiro de Cuba é uma notícia sobre política. A notícia do fiho do FHC é notícia pessoal, na minha opinião uma fofoca.
Li na época a reportagem da Caros Amigos e me pareceu sensacionalismo raivoso e puritano parecido com aquele caso da Monica Lewinsky nos EUA. Ainda bem que a maior parte da imprensa brasileira - e não só a Globo, pois não vi nada sobre isso em nenhuma outra emissora - não explorou muito isso.

8:32 PM  
Blogger Daniel Xavier disse...

David,

Obrigado pelo comentário.

Em 1989, o Lula perdeu para o Collor, entre outras tramóias, por causa de uma história de um aborto que ele teria feito numa ex-namorada. Foi amplamente divulgado na época. Já o filho do FHC, que foi mandado para Europa com a mãe, jornalista da Globo, para não atrapalhar as eleições, só foi "descoberto" pela mídia recentemente, quando completou 18 anos. Mas, sim, os ataques pessoais são mesmo revoltantes. O problema é que essa revolta às vezes é seletiva em parte da mídia corporativa, na minha humilde opinião.

Sobre o caso do dinheiro de Cuba, nada pôde ser comprovado ainda, até a última coisa que eu li sobre o assunto (tragam updates). A corrupção é real, existe em grande escala, mas, principalmente em época de eleição, temos que nos esforçar dobrado para separar estes exemplos dos ataques políticos meramente eleitoreiros. Cuba is sooo 60's... ;)

Abs!
:D

1:48 AM  
Blogger sr. waldemar disse...

é importante lembrar que este tipo de coisa (direcionar as pautas de acordo com os interesses de quem vai colocar mais grana no veículo) acontece em qqer jornalzinho de bairro. nas grandes empresas, ganham portanto, grandes proporções, que exigem grandes máscaras para que o esquema continue. de repente, bobos somos nós, que não temos salário de executivo de multinacional (pelo menos eu não tenho) e estamos fora do esquema (merda, pelo menos eu tou).

10:47 AM  

Postar um comentário

Assinar Postar comentários [Atom]

Links para esta postagem:

Criar um link

<< Página inicial