<BODY>

quarta-feira, outubro 20, 2010

Tucano que se bicam










Da Revista Época (20/10/2010):

Jornalista admite que buscou dados de tucanos para dossiê

Em depoimento à PF, Amaury Ribeiro Júnior diz que obteve dados sigilosos de dirigentes tucanos e de familiares de Serra para “proteger” Aécio Neves e que as informações foram roubadas por membros do PT, diz jornal

O jornalista Amaury Ribeiro Júnior afirmou, em depoimento à Polícia Federal, que foi o responsável por encomendar os dados de dirigentes do PSDB e de familiares do candidato tucano à Presidência, José Serra. O jornalista afirmou ainda que buscou as informações sigilosas para “proteger” o ex-governador de Minas Gerais Aécio Neves, rival de Serra na disputa interna do PSDB pela vaga nas eleições presidenciais, e disse que integrantes do PT roubaram esses dados. As informações são do jornal Folha de S.Paulo.

De acordo com a Folha, Amaury afirmou à PF que a “investigação” sobre os dirigentes tucanos teria sido iniciada quando ele era funcionário do jornal Estado de Minas. Amaury, prossegue a Folha, buscou os dados depois de ter “tomado conhecimento de que uma equipe de inteligência liderada pelo deputado Marcelo Itagiba (PSDB-RJ), ligado a Serra, estaria reunindo munição contra Aécio”. Esta primeira parte da versão de Amaury vai ao encontro do que dirigentes do PT têm afirmado depois que a sujeira do escândalo respingou na pré-campanha de Dilma Rousseff (PT) – que a produção do dossiê é obra do Estado de Minas, que por sua vez teria interesse em defender a candidatura de Aécio Neves a presidente.


Da Folha (20/10/2010)

Jornalista confirma à PF que encomendou dados de tucanos

O jornalista Amaury Ribeiro Jr., ligado ao chamado “grupo de inteligência” da pré-campanha de Dilma Rousseff (PT), confirmou em depoimento à Polícia Federal que encomendou dados
de dirigentes tucanos e familiares de José Serra (PSDB), como a Folha revelou na edição de hoje.

Essas informações, obtidas ilegalmente em agências da Receita Federal em São Paulo, foram parar em um dossiê que, no começo do ano, circulou no comitê dilmista.

O repórter disse que iniciou seu trabalho de investigação quando era funcionário do jornal “Estado de Minas”, para “proteger” o ex-governador tucano Aécio Neves –que à época
disputava internamente no PSDB a candidatura à Presidência.



Do Paulo Henrique Amorim:

Quem é o Itagiba ?

É o delegado da Polícia Federal que participou ativamente da Opeação Lunus, com que o Serra destruiu a candidatura da Roseana em 2002.

Itagiba foi presidente da CPI dos Amigos de Dantas, que tinha Raul Jungmann como seu braço direito ( e esquerdo).

Itagiba e Jungmann foram devidamente defenestrados nesta eleição.

Por isso, o Itagiba deve estar fazendo “bico” na campanha de seu velho amigo, o Serra.



Do Nassif:

Para entender melhor o inquérito da Polícia Federal sobre a quebra do sigilo fiscal dos tucanos.
As investigações foram encerradas na semana passada, inclusive com a tomada de depoimento do repórter Amaury Jr por mais de dez horas.
A conclusão final do inquérito foi a de que Amaury trabalhou o dossiê a serviço do Estado de Minas e do governador Aécio Neves – como uma forma de se defender de esperados ataques de José Serra.
Em negociação com o Palácio, a cúpula da Polícia Federal decidiu segurar as conclusões para após as eleições, para não dar margem a nenhuma interpretação de que o inquérito pudesse ter influência política.
No entanto, a advogada de Eduardo Jorge – que tem acesso às peças do inquérito por conta de uma liminar na Justiça – conseguiu as informações. Conferindo seu conteúdo explosivo, aparentemente pretendeu montar um antídoto. Vazou as informações para a Folha, dando ênfase ao acessório – a aproximação posterior de Amaury com a pré-campanha de Dilma – para diluir o essencial – o fato de que o dossiê foi fogo amigo no PSDB.




2 Comentários:

Anonymous Renato Mattos disse...

Camarada,

Não me leve a mal mas o seu blog não é mais o mesmo. Para alguns pode ter melhorado, é uma questão de perfil. Para outros não. Outro dia me vi revendo posts sensacionais de anos atrás, com um humor ácido e inteligente.

A pouco tempo seu blog so falava do Obama. Depois ficou abandonado. Agora SÓ fala de política, mais precisamente uma militância cansativa da Dilma.

Não quero entrar em opções políticas, mas você pode mais do que isso. Os textos estão moralistas, chatos, militantes, burocráticos. Distantes do que o blog já foi.

Pense, repense. Vê se concorda comigo ou não. Posso estar errado, mas talvez não. Esqueça os copy/pastes do Azenha um pouco. escreva os seus, eu até prefiro. Deixa a Dilma quieta um tiquinho, o que está acontecendo além disso? Você sempre soube, sempre esteve antenado.

Você é um exímio escritor e blogueiro. Analista, crítico e algumas vezes visionário (falou do twitter, 12 seconds, e outros assuntos, anos antes de alguém falar disso). Por sinal, essas coisas todas eu conheci pelo Midionauta.

Volte a ser o que você é. Releia os próprios textos antigos. Você verá que eu estou certo. Ou, talvez você tenha de fato mudado.

T+

Renato

8:02 PM  
Blogger Daniel Xavier disse...

Renato,

Antes de ser um humilde veículo de comunicação, o Midionauta é uma extensão de mim mesmo. Eu não sou jornalista, não ganho pra escrever o blog. Não tenho patrocínio nem anúncios. Fico muito feliz de saber que o que escrevo - ou escrevia - toca alguém além de mim mas tudo que me motiva é o que penso, o que acredito e o que me chama atenção naquele momento. Minhas perspectivas são só o que tenho a oferecer. Sei bem quais são os textos que você se refere. Não desaprendi de escrevê-los. Sei fazer a casa voltar a encher. Mas conheço bem também seus débitos nas minhas horas de sono. É um desafio manter o equilíbrio e acho que o blog ainda não alcançou isso. Minha vida não alcançou isso. Aquele período de abandono total foi quando eu estava com muito trabalho. Esta fase agora, de copy/paste, também é mas, pelo menos assim, o blog sobrevive até que a situação se normalize. Além de criador de conteúdo, o Midionauta também é curador. Acho que são fases. Sei que falar de política não dá Ibope mas o blog já passou por diversas crises existenciais e concluí que me interessa menos quem não volta e mais quem fica, mesmo que no fim reste apenas eu. Eu realmente fico fascinado com a influência da comunicação em época de eleição, principalmente depois do que vi aqui nas eleições de 2008. Se insisto tanto em falar disso, a ponto de soar partidário, burocrático ou moralista, é porque acho este o assunto mais importante da pauta, principalmente há duas semanas do fim de eleições. Pelas boas risadas dos posts do passado, acho que há crédito para falar um pouco sério. É que eu sinceramente acho que existem duas opções distintas de futuro na comunicação no Brasil na urna dia 31 e este é um assunto que interessa muito a mim e ao blog. Mas eu concordo, tenho que escrever mais com as minhas palavras mesmo. Também sinto falta. Mas pra escrever bem e todo dia eu teria que arrumar um esquema de patrocínio com os cumpanheiros da Petrobras.

abs!
:D

5:18 AM  

Postar um comentário

Assinar Postar comentários [Atom]

Links para esta postagem:

Criar um link

<< Página inicial